Bem-Vindo ao Estação 018!


Seja bem-vindo ao "Estação 018"! Um blog pouco reticente, mesmo cheio destas reticências que compõem a existência. Que tenta ser poético, literário e revolucionário, mas acaba se rendendo à calmaria de alguns bons versos. Bem-vindo a uma faceta artística do caos... Embarque sem medo e com ânsia: "Estação 018, onde se fala da vida..."

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Estranho


Imagina o quanto seria estranho
se um dia você me procurasse
e eu já não estivesse dormindo.

Você gritaria e eu estaria longe,
estaria muito longe,
longe demais
para ouvir você.

Imagina o quanto seria estranho
se um dia você me procurasse
e eu já não estivesse sonhando.

Você iria brincar sem mim,
sem me chamar,
sem nem lembrar o que fui,
sem ver que o que hoje rui
são as colunas que eu construí.

Imagina o quanto seria estranho
se um dia você me esquecesse
e eu continuasse lembrando.

Eu iria enviar bilhetes,
cartões-postais, telegramas
e cartas-bomba para 
um endereço vazio
- o endereço antigo
por não saber em que
sopro de vida tu dormes 
então.

Imagina o quanto seria estranho
se um dia você morresse
e eu continuasse te procurando.

Eu vasculharia necrotérios
e cemitérios. E, se te achasse,
abriria uma cama ao teu lado
e viveria a tua morte contigo.

Imagina o quanto seria estranho
se um dia eu morresse
e você fosse vivendo...

Raul Albuquerque
19-20/06/2013

Um comentário:

  1. Isso foi tão eu e tu. Mas separados. Eu. Tu. (você sabe o porque).

    ResponderExcluir